domingo, agosto 28, 2016

Causas da candidíase vaginal

Todas as infecções vaginais tem sintomas, muitos deles são semelhantes, a candidíase é uma infecção por fungos que pode afectar varias partes do corpo, a candidíase vaginal pode afectar a mulher em qualquer idade, não sendo uma doença sexualmente transmissível, embora o homem também possa ter (é mais raro).

Os sintomas mais comuns da candidíase vaginal são a coceira vaginal, corrimento vaginal branco (tipo iogurte), mau odor, ardor ao urinar, dor durante o coito, vermelhidão e eritema na vulva, ardor vulvar e cortes ou fissuras vaginais.

Para tratar é importante pedir ajuda ao seu médico para fazer um tratamento adequado sem por em risco o equilíbrio de seu meio vaginal. É também importante tentar descobrir a causa para evitar que volte a ter uma recidiva.

Causas da candidíase vaginal

Causas da candidíase vaginal

O fungo responsável pela candidíase vaginal é a Candida albicans que consegue se multiplicar após o meio vaginal entrar em desequilíbrio, após uma agressão que pode ser o uso de roupa sintética, gravidez, menopausa, anticoncepcionais, diabetes, alguns medicamentos (pílula), higiene intima com sabonetes agressivos e diminuição da imunidade em casos de fadiga extrema, duches vaginais, stresse e ansiedade.

Descubra alguns posts relacionados
Ler mais...

sábado, agosto 27, 2016

Repavar® - óleo de rosa mosqueta

Repavar® é um produto que tem por base o óleo de rosa mosqueta que é rico em ácidos gordos, antioxidantes e vitamina E, o que lhe confere uma grande capacidade regeneradora, aumentando a hidratação e elasticidade dos tecidos cutâneos.
Repavar® - óleo de rosa mosqueta


Repavar® é recomendado no tratamento e melhorias de cicatrizes, queimaduras, rugas, descamação da pele, manchas e estrias.

Fontes bibliográficas
repavar.net
Ler mais...

Dicas para tratar a tosse seca

A tosse é um reflexo que surge para libertar as vias aéreas de alguma substância ou corpo que está a bloqueá-las ou a dificultar a respiração. A tosse pode ser produtiva ou seca. A tosse produtiva está associada a infeções virais ou bacterianas e a tosse seca ou irritativa tem origem alérgica, inflamatória, entre outras.

Dicas para tratar a tosse seca


Como é um reflexo de defesa não deve ser tratada, por isso os xaropes e outros medicamentos para a tosse devem ser evitados, devem ser usados somente após conselho de seu médico. Pode no entanto ter alguns cuidados para aliviar sua tosse, descubra algumas dicas para tratar sua tosse seca.

Dicas para tratar a tosse seca

Algumas dicas para aliviar a tosse: beba chá de limão com mel (pode adicionar própolis), beba chá de equinácea com gengibre e mel, faça um xarope de cebola (ferva várias cebolas cortadas às rodelas, depois esmague-as até formarem uma pasta, acrescente umas colheradas de mel ou açúcar amarelo), faça uma água de cebola (coloque pedaços de cebola em água e açúcar durante algumas horas) ou faça xarope de cenoura (descasque uma cenoura, parta-a aos bocadinhos, coloque os bocados numa taça com açúcar e água, deixe reservar durante duas a três horas).

Se lembre que alguns alimentos podem piorar sua tosse, tais como o sal e os lacticínios.

Os alimentos antitussicos são: a cebola, o mel, o limão e a cenoura.

Descubra alguns posts relacionados
Ler mais...

Fitocreme®

O fitocreme® é um creme indicado no tratamento de queimaduras de primeiro grau (queimaduras solares), feridas superficiais, ulceras de decúbito e frieiras. As suas propriedades anticépticas e regenerativas devem-se a ter na sua composição fenoxietanol e extracto de Triticum vulgare.

Fitocreme®

Composição de fitocreme®

O fitocreme® tem na sua composição cerca de 10 mg/g fenoxietanol, 150 mg/g extracto de Triticum vulgare e outros componentes tais como: macrogol 400, polietilenoglicol 1500, macrogol 4000, parafina líquida, álcool cetostearílico, glicerol, solução de sorbitol 70%, óleo essencial de alfazema, óleo de Coriandrum sativum (coentro).

Fitocreme®

Como aplicar fitocreme®

O creme fitocreme® deve ser aplicado na lesão após lavagem com água corrente, pode aplicar um penso secundário (gaze ou compressa esterilizada) para proteger a lesão. Pode fazer tratamento duas vezes por dia.

Fontes bibliográficas
infarmed.pt
Ler mais...

sexta-feira, agosto 26, 2016

Quais são as pílulas anticoncepcionais com menor risco de trombose?

Quais são as pílulas anticoncepcionais com menor risco de trombose?

Nos últimos tempos muito se tem escrito e falado dos riscos de trombose e o uso das pílulas anticoncepcionais, ficamos todos preocupados com as noticias de mortes que a comunicação social divulgou.

A verdade é que os riscos sempre existiram, são menores que pós-parto e na gravidez (nessas fases o risco de trombose é maior), e não são motivo para a mulher parar o seu anticoncepcional, no entanto pode falar com seu médico para ponderar a mudança para uma pílula anticoncepcional com menor risco de trombose.

Quais são as pílulas anticoncepcionais com menor risco de trombose?

Os estudos revelam o risco de trombose tendo como referência os riscos associados às pílulas hormonais combinadas com levonorgestrel, pois este grupo de pílulas é o que tem menos riscos.
Pílulas combinadas com levonorgestrel

Descubra as pílulas com menor riscos (risco por ordem crescente):
Pílulas combinadas com acetato de ciproterona

As pílulas combinadas com cloromadinona (Belara, Clarissa, Jeniasta, Aixa e Chariva), dienogeste (Qlaira, Valette, Sibilla e Denille) e com acetato de nomegestrol (stezza e zoely) ainda não têm seu risco confirmado clinicamente.

Se lembre que os riscos de trombose são maiores se colar as cartelas, ao iniciar a pílula pela primeira vez (não deve fazer pausas de descanso), se fumar, se for obesa, tiver hipertensão, varizes ou diabetes.

Quais são as pílulas anticoncepcionais com menor risco de trombose?

Descubra alguns posts relacionados:
Ler mais...

quinta-feira, agosto 25, 2016

Eficácia da pílula do dia seguinte no período fertil

A pílula do dia seguinte (levonorgestrel 1500 mg) é um anticoncepcional indicado na prevenção da gravidez, após relação de risco, que pode ser usado até 72 horas depois da relação (3 dias).

A pílula do dia seguinte levonorgestrel 1500 mg é a mais usada embora a mulher tenha disponível outra alternativa, pílula do dia seguinte com acetato de ulipristal que pode ser tomado até 5 dia após a relação desprotegida ou de risco.

Eficácia da pílula do dia seguinte no período fertil



A eficácia da pílula do dia seguinte levonorgestrel 1500 mg tem uma redução da eficácia com o tempo decorrido após a relação, dai ser importante a mulher tomar a pílula do dia seguinte o mais perto possível da relação desprotegida, assim nos ensaios clínicos a eficácia da pílula do dia seguinte levonorgestrel 1500 mg é:
  • toma até às 24 horas, após a relação - eficácia de 95% 
  • toma entre as 24 e 48 horas, após a relação - eficácia de 85% 
  • toma entre as 48 e 72 horas, após a relação - eficácia de 58% 
  • toma depois das 72 horas (3 dias) - não é eficaz 


Os estudos revelaram que a pílula do dia seguinte levonorgestrel 1500 mg tem menor eficácia e não protege de uma gravidez se for usada no período fertil. Esta falta de eficácia deve-se ao aumento da hormona ou hormônio LH, no período fertil há um aumento, um pico da concentração desta hormona ou hormônio (LH).

Com o pico de LH a decorrer, no período fertil, a pílula do dia seguinte levonorgestrel 1500 mg não é eficaz e não protege a mulher.

Descubra alguns posts relacionados
Ler mais...

Norlevo® versus postinor® - diferenças

A pílula do dia seguinte ou de emergência é um anticoncepcional de segunda linha indicado para as mulheres que falharam seu método por esquecimento ou falha (por exemplo o rompimento de um preservativo), para prevenir a gravidez.


A pílula do dia seguinte norlevo® é um anticoncepcional de emergência indicado na prevenção da gravidez após uma relação sexual não protegida ou em situações de falha do método anticoncepcional habitual. A pílula de emergência norlevo® deve ser tomada até 72 horas (3 dias), após a relação. Cada comprimido de norlevo® é constituído por 1,5 mg de levonorgestrel.
Norlevo® versus postinor® - diferenças



O anticoncepcional postinor® é um contraceptivo de emergência composto por 1500 microgramas de levonorgestrel (hormona sintética), a pílula postinor® deve ser tomada até 72 horas (3 dias), após a relação. Cada comprimido de postinor® é constituído por 1500 microgramas de levonorgestrel.

Norlevo® versus postinor® - diferenças

Norlevo® versus postinor® - diferenças

As pílulas do dia seguinte norlevo® e postinor® têm a mesma composição e a mesma posologia. Sua eficácia é semelhante se forem usadas até 72 horas após a relação sexual de risco.

Descubra alguns posts relacionados
Ler mais...

Drosdiol® (3 mg drospirenona + 0,02 mg etinilestradiol)

A pílula drosdiol® é uma pílula indicada principalmente na prevenção da gravidez, também na diminuição do acne e retenção de líquidos. A pílula drosdiol® tem a combinação drospirenona + etinilestradiol (drospirenona 3 mg + etinilestradiol 0,02 mg) e cada cartela da pílula drosdiol® tem 24 comprimidos rosa + 4 comprimidos brancos.

Como tomar a drosdiol®

A pílula drosdiol® deve ser tomada todos os dias, sensivelmente à mesma hora.

Como iniciar a pílula drosdiol®

A pílula drosdiol® deve ser iniciada no primeiro dia da menstruação. No dia que surgir o sangramento deve iniciar a pílula drosdiol® mantendo a toma durante 28 dias seguidos. Após tomar os 24 comprimidos rosa deve tomar os 4 comprimidos brancos, durante esses dias deverá surgir a menstruação.

A pílula drosdiol® e outros medicamentos: medicamentos que interferem com a pílula drosdiol® primidona, fenitoína, barbitúricos, carbamazepina, oxcarbazepina, topiramato, felbamato, rifampicina, ritonavir, nevirapina, antibióticos (penicilinas, tetraciclinas, griseofulvina), erva de São João ou hipericão.

Efeitos secundários da pílula drosdiol®

Efeitos secundários frequentes da pílula drosdiol®

Náuseas, dores abdominais, aumento de peso, dores de cabeça, alterações de humor ou dor nas mamas.

Efeitos secundários pouco frequentes da pílula drosdiol®

Vómitos, diarreia, retenção de líquido, enxaqueca, diminuição do desejo sexual (libido), aumento do tamanho das mamas, erupção cutânea ou urticária.

Efeitos secundários raros da pílula drosdiol®

Intolerância às lentes de contato, diminuição de peso, aumento do desejo sexual, secreções vaginais, secreções das mamas ou eritema nodoso. 

Fontes bibliográficas
infarmed.pt
Ler mais...

quarta-feira, agosto 24, 2016

Betroa® (0,02 mg etinilestradiol + 3 mg drospirenona)

A pílula betroa® é uma pílula indicada principalmente na prevenção da gravidez, também na diminuição do acne e retenção de líquidos. A pílula betroa® tem a combinação drospirenona + etinilestradiol (drospirenona 3 mg + etinilestradiol 0,02 mg) e cada cartela da pílula betroa® tem 24 comprimidos rosa + 4 comprimidos brancos.

Como tomar a betroa®

A pílula betroa® deve ser tomada todos os dias, sensivelmente à mesma hora.

Como iniciar a pílula betroa®

A pílula betroa® deve ser iniciada no primeiro dia da menstruação. No dia que surgir o sangramento deve iniciar a pílula betroa® mantendo a toma durante 28 dias seguidos. Após tomar os 24 comprimidos rosa deve tomar os 4 comprimidos brancos, durante esses dias deverá surgir a menstruação.

A pílula betroa® e outros medicamentos:

Medicamentos que interferem com a pílula betroa® primidona, fenitoína, barbitúricos, carbamazepina, oxcarbazepina, topiramato, felbamato, rifampicina, ritonavir, nevirapina, antibióticos (penicilinas, tetraciclinas, griseofulvina), erva de São João ou hipericão.

Efeitos secundários da pílula betroa®

Efeitos secundários frequentes da pílula betroa®

Náuseas, dores abdominais, aumento de peso, dores de cabeça, alterações de humor ou dor nas mamas.

Efeitos secundários pouco frequentes da pílula betroa®

Vómitos, diarreia, retenção de líquido, enxaqueca, diminuição do desejo sexual (libido), aumento do tamanho das mamas, erupção cutânea ou urticária.

Efeitos secundários raros da pílula betroa®

Intolerância às lentes de contato, diminuição de peso, aumento do desejo sexual, secreções vaginais, secreções das mamas ou eritema nodoso. 

Fontes bibliográficas
infarmed.pt
Ler mais...

terça-feira, agosto 23, 2016

Eficácia do DIU Cepeó ômega® Cu 375

O DIU Cepeó ômega® Cu 375 é um anticoncepcional barreira, físico, que garante uma protecção eficaz contra a gravidez devido à sua presença durante 5 anos no interior do útero da mulher. O DIU Cepeó ômega® Cu 375 ao ser colocado no interior do útero vai criar um ambiente inflamatório, o que vai causar um clima anticoncepcional.

Diu de cobre

Apesar de ser um DIU de cobre ele é eficaz, descubra mais sobre sua eficácia...


A eficácia do DIU Cepeó ômega® Cu 375 se situa em tornos dos 99%, o que se traduz numa gravidez em cada 100 mulheres utilizadoras, por ano. Para mulheres mais novas (- 20 anos) sua eficácia é menor.

Se lembre que a eficácia do DIU pode ficar comprometida com o uso de alguns medicamentos tais como: 
  • corticoides
  • anti-inflamatórios não esteróides

Descubra alguns posts relacionados
Ler mais...

Sonrisal®

O sonrisal® é um antiácido que combate a azia, através da neutralização do ácido estomacal (acidez do estômago), o seu principio ativo é o bicarbonato de sódio.

Indicações do sonrisal®

O sonrisal® está indicado no alivio da azia, dor de estômago, refluxo e má digestão.

Modo de uso do sonrisal®

A posologia recomendada de sonrisal® é de 1 ou 2 comprimidos, dissolvidos num copo de água, podendo ser repetida a dose após 4 horas, até alivio dos sintomas, não devemos exceder 8 comprimidos por dia.

Efeitos adversos do sonrisal®: gases, inchaço da barriga, dor de cabeça, náusea, vômito ou diarreia.

O sonrisal® não deve usado na gravidez, em crianças com menos de 2 anos, em doentes com alterações no intestino ou desequilibro metabólicos (minerais).

Descubra alguns posts relacionados
Ler mais...

segunda-feira, agosto 22, 2016

Tratamento da candidíase vaginal

A candidíase vaginal é uma infecção vaginal provocada pelo fungo da espécie cândida, Candida albicans, este fungo é comum na flora vaginal, mas pode proliferar quando o meio vaginal se altera por uso de medicamentos, produtos de higiene intima, alterações da imunidade e outras causas.

Esta infecção vaginal se diferencia das restantes pelo corrimento branco e espesso que normalmente a mulher apresenta, apesar de nem sempre causar desconforto, mau odor ou desconforto a mulher que apresenta corrimento branco e espesso deve recorrer ao seu médico para ele avaliar.

Tratamento da candidíase vaginal

Não sugiro o uso de medicamentos e tratamentos sem conselho médico, pois o meio vaginal tem um equilíbrio muito frágil e não deve ser perturbado sem critério médico. O tratamento da candidíase vaginal pode ser simples ou conjugado, a mulher pode ter que aplicar cremes, loções, óvulos ou tomar comprimidos orais.

Tratamento da candidíase vaginal

Nas situações mais complexas pode ter que fazer mais que um medicamento.

Os medicamentos mais usados para tratar a candidíase vaginal são:

Tratamento oral da candidíase vaginal
  • fluconazol 150 mg, toma única
  • Itraconazol 200 mg, comprimidos duas vezes ao dia toma única ou 1 g, duas tomas de 12 em 12h

Tratamento vaginal da candidíase vaginal
  • clotrimazol creme vaginal a 1% durante 6 dias
  • clotrimazol comprimido vaginal 500 mg, dose única
  • clotrimazol comprimidos vaginais 200 mg, 3 dias seguidos ou 100 mg, 6 dias seguidos
  • miconazol creme vaginal 2% durante 6 dias
  • miconazol óvulo, 1 durante 3 dias
  • econazol creme vaginal 1% durante 6 dias
  • econazol óvulo vaginal 150 mg durante 3 dias
  • sertaconazol óvulo vaginal 300 mg, dose única
  • sertaconazol comprimido vaginal 500 mg, dose única
  • sertaconazol creme vaginal a 2% durante 6 dias
  • isoconazol creme vaginal a 1% durante 6 dias
  • tioconazol comprimido vaginal 100 mg durante 6 dias
  • fenticonazol creme vaginal a 2% durante 6 dias
  • fenticonazol óvulo vaginal 200 mg durante 6 dias
  • nistatina comprimido vaginal, um vez por dia durante 14 dias
  • terconazol creme, 1 aplicação à noite por 3 a 5 dias
  • terconazol óvulo, 1 óvulo durante 3 dias

O seu médico pode sugerir outros medicamentos, estes descritos são os mais usados, não deve usar sem indicação médica, siga a posologia recomendada pelo seu médico.

Se lembre que o seu meio vaginal tem defesas e qualquer alteração pode colocar sua saúde ginecológica em perigo.

Descubra alguns post relacionados
Ler mais...

domingo, agosto 21, 2016

Sinais e sintomas de leucemia

A formação de células saudáveis no nosso organismo da-se de forma ordeira e coordenada, em que cada célula nova toma o lugar da célula envelhecida ou que morreu, desta forma o organismo mantém suas funções normalmente, no caso de células de tumor (leucemia) a sua formação ocorre de forma anárquica havendo uma produção celular descontrolada.

Com as células do sangue este processo é o mesmo, as células do sangue formam-se na medula óssea, os glóbulos brancos, vermelhos e plaquetas acabam por amadurecer na medula óssea antes de entrarem na corrente sanguínea e desempenharem as suas funções.

Sinais e sintomas de leucemia

Na leucemia a medula óssea produz glóbulos brancos anómalos, que vão impedir que as células do sangue desempenhem o seu papel. Com o tempo estas células disseminam-se e acabam por ficar em maior numero o que vai interferir com a função das células sanguíneas.
A leucemia é um cancro que tem início nas células do sangue.

Tipos de leucemia

A leucemia pode ser de ocorrer de forma aguda ou crônica, os quatro tipos de leucemia mais comuns são:
  • leucemia linfocítica crónica (leucemia linfoblástica crónica, LLC)
  • leucemia mielóide crónica (leucemia mielogénica crónica, LMC)
  • leucemia linfocítica aguda (leucemia linfoblástica aguda, LLA)
  • leucemia mielóide aguda (leucemia mielogénica aguda, LMA)

O seu nome está relacionado com o tipo de glóbulos brancos que são afectados células linfóides - leucemia linfocítica e células mielóides - leucemia mielóide ou mielogénica.

Sinais e sintomas de leucemia

Os sinais e sintomas de leucemia variam de pessoa para pessoas, mas os mais comuns são:
  • febre alta (+ 38°C)
  • suores nocturnos
  • infecções frequentes
  • cansaço
  • dor de cabeça
  • hematomas
  • dor articulares
  • inchaço ou desconforto no abdómen (aumento do baço)
  • gânglios inchados ou inguas (pescoço e as axilas)
  • perda de peso
Sinais e sintomas de leucemia

Fontes bibliográficas
Ler mais...

Livro de Carlos Edgar

Livro de Carlos Edgar
O que perguntamos sobre saúde - um livro com mais de 1000 perguntas sobre saúde.