22 de julho de 2018

A febre não baixa com paracetamol? O que fazer?



Quando nosso filho tem febre a nossa reacção mais instintiva é pensar - vamos baixar esta febre - mas será mesmo que devemos logo usar medicamentos para baixar a febre? O que é considerado febre?
A febre não baixa com paracetamol? O que fazer?

Como falei no post - Febre no bebé - dicas para os pais - febre é uma defesa que o nosso corpo tem para nos proteger, logo sendo uma defesa não devemos logo tentar baixar a temperatura do nosso filho, devemos antes esperar e usar algumas medidas para aliviar as complicações e desconforto...

Sim numa temperatura até 38,5ºC devemos apenas ter alguns cuidados para aliviar o desconforto e as complicações, cuidados que passam por não agasalhar demasiado, oferecer alimentos que melhor agradam a criança (não obrigue), oferecer muitos líquidos (melhoria do quadro e prevenção da desidratação), controlar a temperatura e evitar os banhos ou panos de água fria...
A febre não baixa com paracetamol? O que fazer?

Estas simples medidas podem mesmo ajudar a diminuir a temperatura... mas e se a temperatura continua a subir? Nessa altura podemos utilizar um antipirético, sendo o paracetamol o mais indicado...

Usar o paracetamol para baixar a febre

O paracetamol é um dos antipiréticos mais usados no mundo, ao nosso dispor temos muitas apresentações, para a criança as mais usadas são os supositórios e o xarope, confira as dosagens recomendadas:

Paracetamol supositórios
  • lactentes: 1 supositório 125mg 1 a 3 vezes ao dia 
  • crianças 1 aos 6 anos: 1 supositório 250mg 1 a 3 vezes ao dia 
  • dos 6 aos 14 anos: 1 supositório 500mg 1 a 3 vezes ao dia 
  • mais de 14 anos: 1 supositório 1000mg 1 a 3 vezes ao dia 

Paracetamol xarope
  • 3 – 12 meses ½ medida até 3 vezes ao dia 
  • 1 – 6 anos 1 medida até 3 vezes ao dia 
  • 6 – 14 anos 2 medidas até 3 vezes ao dia 
A febre não baixa com paracetamol? O que fazer?

Paracetamol comprimidos
  • 1 – 6 anos ½ comprimido 250 mg até 3 vezes ao dia 
  • 6 – 14 anos 1 comprimido 500 mg até 3 vezes ao dia 
  • + 14 anos 1 comprimido 1 g até 3 vezes ao dia 

Mas Carlos Edgar e se a temperatura não baixar com o paracetamol? O que devo fazer?

A febre não baixa com paracetamol? O que fazer?

Se após usar o paracetamol a temperatura continuar subindo pode mesmo estar indicado pelo seu médico o uso de outro antipirético, de outra família, o ibuprofeno... neste caso o mais usual é recomendar o uso intercalado, para de 4 em 4 horas a criança fazer um antipirético...

Antes de explicar um possível esquema, devo lembrar que aqui no blog podemos encontrar, para além do vídeo, alguns posts sobre este tema, convido a ler... 😊

Para usar o paracetamol intercalado com o ibuprofeno pode usar o seguinte esquema:
A febre não baixa com paracetamol? O que fazer?

Conclusão: a febre não baixa com paracetamol? O que fazer? Seu médico pode recomendar o uso de outro antipirético, ibuprofeno, para fazer alternado, mantendo um a cada 4 horas. Usa o paracetamol, 4 horas depois usa o ibuprofeno e assim sucessivamente...

Descubra alguns posts relacionados

10 comentários:

  1. Olá, pode deixar seu comentário... se lembre que a informação neste post é apenas para aumentar seu conhecimento sobre o tema... não deixe de procurar seu médico... muito obrigado... :)

    ResponderEliminar
  2. Bom dia Doutor,

    Estou hoje a entrar na minha 3a semana de yasminelle (já tomo há 5 anos, sempre certinho, sem nunca me esquecer). Quando tomei hoje a pilula, as 6h15, tive um episodio de diarreia nos 30 min seguintes.
    Como tive receio, tomei outro comprimido, mas como não tinha outra caixa de yasminelle, tomei o comprimido extra da generica (Arankelle).

    Fiz bem? Posso misturar assim o comprimido da pilula com outro do generico? Estou protegida?

    Tenho receio, como é a ultima semana antes da pausa...

    Obrigada

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, sim fez bem... dessa forma se protegeu... continua protegida... mantenha certinho, ando por aqui... :)

      Eliminar
    2. Obrigada doutor. Fico sempre mais descansada quando vejo as suas respostas. Este blog é a minha salvação quando não sei o que fazer :)

      Eliminar
  3. Bom dia doutor,
    Tomo estinette há quase quatro meses. Este mês decidi juntar duas cartelas por causa das férias. Há quinze dias, na quarta feira, tive relações desprotegidas e no dia a seguir reparei que não tinha tomado a pílula do dia anterior e fiz como está descrito, tomei as duas juntas e protegi-me sete dias (até quarta/ quinta desta semana). No sábado tive relações e desde essa noite que quando me limpo sai um bocadinho de corrimento castanho. É normal ou devo ficar preocupada e pedir ajuda?
    Obrigada

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, sim pode resultar da toma continua... como usou desta forma não teve riscos, ao esquecer... ando por aqui... :)

      Eliminar
  4. Bom dia, faço uso da pílula com emenda nas cartelas por orientação médica.
    no sábado, dia 14, tive um sangramento sem fluxo intenso, uma cor escura, somente para sujar o protetor diário, na quarta dia 18, veio um fluxo um pouco maior na parte da manhã e depois voltou a ser fluxo baixo, o sangramento aqui já estava mais claro, cor mais viva, algumas das vezes o sangramento vinha mais como borra de café. Hoje, dia 23 ainda estou com esse sangramento em cor bem viva, devo me preocupar com esse sangramento ou é somente um escape comum ?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, sim me parece ser um escape, provavelmente relacionado com o uso das cartelas coladas... ando por aqui... :)

      Eliminar
  5. Doutor, vomitei 6 horas após a tomada da pílula, corro algum risco? (tomei as 19:00 PM, vomito as 01:00 AM)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá, não corre, pois foi mais de 4 horas depois... mantenha o seu anticoncepcional como seu médico recomendou, ando por aqui... :)

      Eliminar

Obrigado por colocar o seu comentário... não revele nenhum dado ou informação confidencial no seu preenchimento.

Carlos Edgar

O Carlos Edgar é reconhecido como uma das maiores referências profissionais na Internet na área da contracepção e anticoncepcionais. Autor, de alguns livros e alguns estudos na área da contracepção, com mais de 15 anos de experiência, e que ajuda anualmente mais de 20.000 mulheres com suas dúvidas. Frequenta todos os anos algumas formações para se manter actualizado e ajudar todas as leitoras. Para entrar em contacto com Carlos Edgar, visite a página de contacto. Para informações sobre o Carlos, clique aqui.