-->

Theme Layout

Theme Translation

Trending Posts Display

Home Layout Display

Posts Title Display

404

We Are Sorry, Page Not Found

Home Page
Os miomas uterino são tumores benignos que podem surgir no útero, em diversos locais, quando a formação de nódulos é grande dizemos que a mulher sofre de miomatose uterina. O aparecimento dos miomas é mais comum durante a idade fertil e acaba por desaparecer ou diminuir de tamanho com a menopausa (menor acção hormonal).

A causa do seu aparecimento ainda é desconhecida, embora se saiba que existe uma relação entre a produção de hormonios e o seu aparecimento. A idade, a gravidez, a obesidade, a etnia e a historia familiar são fatores de risco.

Sintomas da miomatose uterina

Cerca de 75% das mulheres com miomas não apresentam sintomas. Os principais desconfortos produzidos pelo mioma, à medida que se desenvolve, podem ser:

As mulheres com miomatose uterina podem ter mais dificuldade em engravidar (causas da infertilidade), gravidez de risco e abortamento.

As mulheres com este tipo de sintoma deve, nas consultas periodicas, falar com seu médico para avaliar e descobrir se tem algum mioma no seu útero, a forma mais eficaz de saber é através da ecografia ou ultrassom. O mioma pode estar dentro das paredes do útero, no limite interno, externo ou ligeiramente deslocado, mediante a sua posição dizemos que os miomas podem ser subserosos, intramurais, pediculados, submucosos e intracavitários.

Tipos de miomas

Miomas uterinos
Miomas uterinos
Miomas subserosos - localizam-se na porção mais externa do útero e geralmente crescem para fora.
Miomas intramurais - crescem no interior da parede uterina e se expandem (o útero aumenta de tamanho).
Miomas pediculados - ligados à superfície uterina por fibras musculares.
Miomas submucosos - ficam na parte mais profunda da do útero.
Miomas intracavitários - localizam dentro da cavidade uterina.

Tratamento para os miomas

Os tratamentos mais comuns usados são os antiinflamatórios, como ibuprofeno e nimesulida, pilulas anticoncepcionais, diu, medicamentos progestagénicos (pilulas com progesterona), suplementos ferrosos, análogos do GnRH e tratamento cirúrgico. 

Fontes bibliográficas
sogesp.com.br